Richard Stallman: Porque Escolas Deveriam Usar Exclusivamente Software Livre

Richard Stallman: Porque Escolas Deveriam Usar Exclusivamente Software Livre

Existem razões gerais pelas quais todos os usuários de computador deveriam insistir em software livre: ele dá aos usuários a liberdade de controlar seus próprios computadores — com software proprietário, o computador faz o que o dono do software quer, não o que o usuário quer. O software livre também dá aos usuários a liberdade de cooperar uns com os outros e levar a vida com retidão. Essas razões se aplicam às escolas tanto quanto a qualquer pessoa. O propósito desse artigo é expor razões adicionais que se aplicam especificamente a educação.

Atividades educacionais (incluindo escolas) têm o dever se ensinar apenas software livre. Aqui estão os motivos.

Em primeiro lugar, o software livre pode poupar dinheiro às escolas. Ele proporciona às escolas, como a outros usuários, a liberdade de copiar e redistribuir o software, de modo que o sistema escolar pode fazer cópias para todos os computadores que possui. Em países pobres isso pode ajudar a acabar com a dívida digital.

Essa razão óbvia, embora importante em termos práticos, é um tanto superficial. Desenvolvedores de software proprietário podem eliminá-la ao doar cópias às escolas. (Aviso: uma escola que aceita tal oferta pode ter que atualizar o software mais tarde.) Então vejamos as razões mais profundas.

Escolas têm uma missão social: ensinar seus alunos a serem cidadãos de uma sociedade forte, capaz,independente, cooperativa e livre. Elas devem promover o uso de software livre assim como promovem a reciclagem. Se as escolas ensinarem o software livre, os alunos tenderão a usá-lo depois de se graduar. Isso ajudará a sociedade como um todo a escapar do domínio (e abuso) das megacorporações.

O que as escolas devem se recusar a ensinar é a dependência. Essas corporações oferecem amostras grátis a escolas pela mesma razão que algumas companhias de tabaco distribuem cigarros grátis a menores: para que as crianças se viciem (nota de rodapé 1). Eles não darão descontos a esses estudantes quando adultos e graduados.

O software livre permite aos estudantes que aprendam como o software funciona. Alguns estudantes, quando chegam à adolescência, querem aprender tudo o que podem sobre computadores e software. Tem uma curiosidade intensa de ler o código-fonte dos programas que eles usam todos os dias. Para aprender a escrever bom código, os estudantes precisa ler e escrever muito código. Eles precisam ler e entender programas reais e que as pessoas de fato usem. Somente o software livre permite isso.

O software proprietário rejeita a sede de conhecimento dos estudantes: ele diz, “O conhecimento que você deseja é secreto — aprender é proibido!” O software livre encoraja todos a aprender. A comunidade do software livre rejeita o “sacerdócio da tecnologia”, que mantém o público geral ignorante de como a tecnologia funciona; nós encorajamos estudantes de qualquer idade e situação a ler o código-fonte e aprender o quanto eles queiram aprender. As escolas que usem software livre permitirão que estudantes com um dom para programar avancem.

A razão mais profunda para utilizar software livre nas escolas é a educação moral; esperamos que as escolas ensinem aos alunos fatos básicos e habilidades úteis, mas isso não é tudo. O trabalho mais fundamental das escolas é ensinar como ser um bom cidadão, o que inclui o hábito de ajudar uns aos outros. Na área da computação, isso significa ensinar as pessoas a compartilhar o software. Escolas, começando pelo berçário, devem ensinar seus pupilos que “se você traz software para a escola, você deve compartilhá-lo com seus colegas. E você deve mostrar o código-fonte à turma, caso alguém queria aprender.”

Naturalmente, a escola deve praticar aquilo que prega: todo o software instalado pela escola deve estar disponível para que os estudantes copiem, levem para casa e passem adiante.

Ensinar os estudantes a usar software livre e a participar na comunidade do software livre é uma lição cívica levada à prática que também ensina aos alunos a se espelhar no trabalho comunitário ao invés de nos magnatas. Todos os níveis da educação devem usar software livre.

Fonte: http://www.ufrgs.br/soft-livre-edu/stallman-escolas-software-livre

Vídeo Richard Stallman, software livre e educação

Fonte: http://www.ufrgs.br/soft-livre-edu/stallman-educacao
Formato OGV: http://audio-video.gnu.org/video/rms-education-es.ogv.
Transcrição em português brasileiro: http://www.gnu.org/education/misc/rms-education-es-translation-to-pt-br.txt.
Legendas em português brasileiro: http://www.gnu.org/education/misc/rms-education-es-sub.pt-br.srt.

TRANSCRIÇÃO:

Meu nome é Richard Stallman. Há 25 anos eu fundei o movimento do Software Livre. Software livre é o software que respeita a liberdade do usuário e a solidariedade social de sua comunidade. Os programas que não são livres são software proprietário, ou seja, privam o usuário de sua liberdade e os mantêm em um estado de desunião e impotência.

Desunião porque cada um é proibido de compartilhá-lo com os outros, e impotência porque os usuários não possuem o código-fonte do programa. Ou seja, não podem trocar nada, nem sequer podem averiguar o que realmente o programa está fazendo, e o programa pode fazer coisas muito ruins.

Um programa que é Software Livre significa dizer que o usuário tem quatro liberdades essenciais:

A liberdade 0 é a liberdade de executar o programa como queira.

A liberdade 1 é a liberdade de estudar o código-fonte do programa e alterá-lo para que o programa faça o que se deseja.

A liberdade 2 é a liberdade de ajudar ao seu próximo, ou seja, a liberdade de fazer e distribuir cópia exatas do programa tanto quanto queira.

E a liberdade 3 é a liberdade de contribuir com a sua comunidade, a liberdade de fazer e distribuir cópias de suas versões modificadas do programa.

Com essas quatro liberdades o programa é considerado Software Livre porque o sistema social de seu uso e distribuição é um sistema ético que respeita a liberdade de cada um e respeita a comunidade de usuários.

Todo software deve ser livre porque cada um merece a liberdade, merece poder participar da comunidade livre.

Portanto, as escolas devem ensinar unicamente o Software Livre. Há quatro razões para esta conclusão.

A mais superficial é para economizar. As escolas não têm muito dinheiro, e não devem desperdiçar seu dinheiro pagando licenças para usar software proprietário. Esta razão é óbvia. Porém, algumas empresas de software proprietário em geral eliminam essa razão superficial distribuindo cópias gratuitas, ou quase gratuitas, de seu software não-livre às escolas. E a razão disso é conquistar os alunos. Isso é um plano malévolo. É um plano para usar as escolas como instrumentos para impor uma dependência permanente aos alunos. Se a escola ensina o uso deste programa proprietário, o aluno se forma com a dependência e depois de se formar, ele não recebe mais cópias gratuitas deste programa. Ele provavelmente trabalhará para uma empresa e a empresa para a qual ele trabalhará não recebe cópias gratuitas. Então a empresa usa a escola para ensinar uma dependência permanente à toda sociedade. A escola deve rejeitar sua participação nesse plano malévolo porque a escola tem uma missão social de educar a próxima geração para serem bons cidadãos de uma sociedade capaz, forte, independente, solidária e livre. Isso só pode ser feito pelo ensino do Software Livre. As escolas devem eliminar, deletar os programas proprietários para para instalar Software Livre.

Porém, há outra razão mais forte: formar bons programadores, porque para aprender a programar bem eles necessitam ler muito código e escrever muito código. Para aprender a escrever código para programas grandes eles precisam escrever pequenas alterações no código dos programas grandes. Tudo isso só é possível com o Software Livre. Somente o Software Livre permite a educação na informática.

Porém, ainda há uma razão mais profunda: para a educação na cidadania, porque a escola tem a missão de ensinar não somente sobre fatos, não só técnicas, mas sobre tudo o espírito da boa vontade e o hábito de ajudar ao próximo. Portanto, cada turma deve ter essa regra: estudante, se você traz um programa para a aula não pode mantê-lo apenas consigo, deve compartilhá-lo com o resto da turma. E a escola deve seguir sua própria regra, deve deve ter unicamente Software Livre nas aulas.

Todas as escolas devem migrar para o Software Livre e ensinar unicamente Software Livre, pois as escolas devem contribuir na direção de uma sociedade rumo à liberdade e à solidariedade social.

Muito obrigado.

Deixe uma resposta